Questo sito usa cookie per fornirti un'esperienza migliore. Proseguendo la navigazione accetti l'utilizzo dei cookie da parte nostra OK

Jornada do Contemporâneo: Telefone sem Fio 2020, com Alice Visentin e Gianguido Bonfanti

Data:

11/12/2020


Jornada do Contemporâneo: Telefone sem Fio 2020, com Alice Visentin e Gianguido Bonfanti

Por ocasião da XVI edição da Jornada do Contemporâneo, uma iniciativa promovida pela Associação dos Museus de Arte Contemporânea Italianos (AMACI) e pelo Ministério das Relações Exteriores italiano (Maeci), o Instituto Italiano di Cultura, em colaboração com o Consulado Geral da Itália de Belo Horizonte e o Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, organiza no dia 11 de dezembro às 17h, o encontro ao vivo Telefone sem Fio, 2020, com a artista italiana Alice Visentin, recentemente premiada pelo Ministério da Cultura italiano (Mibact), e o artista brasileiro Gianguido Bonfanti. O trabalho de Alice foi selecionado no âmbito do Prêmio AccadeMibact e uma obra pictórica da artista 50 People That I Know faz parte da exposição Domani Qui Oggi, de La Quadriennale di Roma, inaugurada no dia 30 de outubro de 2020 no Palazzo delle Esposizioni di Roma.

Neste momento histórico marcado por uma distância física e social é natural se perguntar como é possível transmitir a experiência de uma obra de arte da melhor forma possível, oferecendo ainda oportunidades de contato entre espectadores e artistas. Ao traduzir essa incerteza em uma oportunidade de experimentação, o evento constitui uma oportunidade imperdível para conhecer a pesquisa estética de Alice Visentin (Ciriè, 1993) por meio de formas alternativas de mediação cultural. Uma entrevista, uma instalação, uma performance ao vivo, Telefone sem Fio, 2020, é fruto das numerosas conversas que a artista está tendo com pessoas brasileiras residentes na Itália. Dessas conversas estão nascendo imagens, figuras que tomam forma de silhuetas capazes de condensar aquela mistura de sentimentos, emoções, e até os perfumes, percebidos durante esses encontros com nativos do Brasil.

 

O mundo dos contos orais permite a criação de narrativas e imaginações férteis, não é como um texto escrito no qual você pode parar, voltar e reler. A narração oral está entrelaçada com as sensações do narrador e do público naquele preciso momento. Está entrelaçado com os quartos e perfumes em que essa história é contada, e é assim que a imaginação cria novas e diferentes facetas. Criar novos passados que, eu acho, são tão valiosos quanto os autênticos.

- Alice Visentin

 

Alice Visentin

Alice Visentin nasceu em 1993 no interior da região de Piemonte, na Itália. O diálogo com sua avó materna e com as mulheres da aldeia montanhosa, onde ela geralmente passava longas férias, constituem as principais influências de sua arte. As referências visuais presentes nos seus trabalhos, como chapéus, bengalas e vestidos longos, são extraídas da cultura e da terra das comunidades onde ela nasceu.

Alice Visentin vive e trabalha em Turim, onde estudou pintura na Academia Albertina. Em 2015 fundou junto com alguns colegas a galeria de arte Spaziobuonasera. Suas obras foram exibidas em diversas exposições coletivas: Monitor Gallery, Roma, 2019; Nevven Gallery, Göteborg, 2018; Basis Showroom, Francoforte, 2018; Cité Des Arts, Parigi, 2017; Tile Project Space, Milano, 2017.

Em setembro de 2019 participou do projeto Per un Rinnovamento Immaginista del Mondo. Il Congresso di Alba: 1956-2019 organizado por Carolyn Christov-Bakargiev e Caterina Molteni.

 

Gianguido Bonfanti

Paulista, nascido em 1948, Gianguido Bonfanti, vem de família italiana. Foi discípulo de Poty Lazzarotto de 1962 a 1966. Frequentou a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - UFRJ de 1968 a 1971, durante o período mais duro do regime militar no Brasil. No final de 1971, tomou uma decisão radical: transferiu-se para a Itália, se dirigindo à Academia de Belas Artes de Roma, e depois retornando ao Brasil em 1973. Três anos depois passa a dar aulas na Escola de Artes Visuais / Parque Lage, como faz até hoje.

Entre suas muitas exposições individuais destacam-se: Museu de Arte Contemporânea do Paraná, 1974; Galeria GB Arte, RJ, 1981; Petite Galerie, RJ, 1985; Thomas Cohn, RJ, 1988; Paulo Figueiredo, SP, 1991; MAM-RJ, 1996; MNBA-RJ, 2000 e 2002; Museu Metropolitano de Curitiba, Paraná, 2004; Galerie le Troisième Oeil, 2005 (Mostra Incluída no Ano do Brasil na França, com publicação de Monografia por AKATOS), Paris, França; Galerie le Troisième Oeil, 2006, Bordeaux, França; Paço Imperial, RJ, Retrospectiva, 2009; Galerie Le Trosième Oeil,Bordeaux, France, 2017. Paço Imperial, RJ, 2017. Galeria Wozen, Lisboa, Portugal, 2017.

Em setembro do ano que vem, o artista fará uma exposição retrospectiva na Accademia delle Arti del Disegno, em Florença (Itália).

 

* * * * *

 

Realização:

Instituto Italiano di Cultura do Rio de Janeiro

 

Colaboração:

Consulado Geral da Itália de Belo Horizonte

Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro

 

* * * * *

 

Jornada do Contemporâneo: Telefone sem Fio 2020, com Alice Visentin e Gianguido Bonfanti

 

Data: 11 de dezembro de 2020

Horário: 17h

Lugar: Facebook e YouTube (Online)

Ingresso: Gratuito

Informazioni

Data: Sex 11 Dez 2020

Orario: At 17:00

Ingresso : Libero


1162