Questo sito utilizza cookie tecnici, analytics e di terze parti.
Proseguendo nella navigazione accetti l'utilizzo dei cookie.

Preferenze cookies

Em que corpos pensamos quando falamos em Feminismo?, debate com Silvia Federici

Tradicional por reunir poetas, escritores, pensadores e comunidade em um mesmo lugar, a Festa Literária das Periferias (FLUP) chega a sua 9ª edição repleta de novidades. Dessa vez, o Festival se reinventa, embarca no universo do streaming e rompe as barreiras geográficas propondo um diálogo importante não só para o Brasil. Esse ano, o evento acontecerá de 29 de outubro a 08 de novembro, com mesas acontecendo no Rio de Janeiro, mas também com debates em outras seis cidades espalhadas mundo.

Nesse contexto torna-se de extrema importância a colaboração com o Istituto Italiano di Cultura do Rio de Janeiro, responsável pela presença da filósofa, pensadora, professora e ativista feminista italiana Silvia Federici. Silvia participará dia 08 de novembro ás 19h do encontro Em que corpos pensamos quando falamos em Feminismo? com Yuderkis Espinosa e mediação de Silvia Capanema.

 

Silvia Federici

Cresceu na Itália e viajou para os Estados Unidos em 1967 para estudar Filosofia na Universidade de Buffalo.

Em 1972, Federici participou da fundação do Coletivo Feminista Internacional, organização que lançou a campanha internacional Wages For Housework (WFH) a favor do salário pelo trabalho doméstico. Com outros membros da organização como Mariarosa Dalla Costa e Selma James, e com autoras feministas como Maria Mies e Vandana Shiva, Federici tem sido instrumental no desenvolvimento do conceito de reprodução como chave para as relações de classe de exploração e dominação em contextos locais e globais, bem como no centro das formas de autonomia e os comuns.

Nos anos 80 deu aulas na Universidade de Port Harcourt na Nigéria, e foi cofundadora do Committee for Academic Freedom in Africa, organização dedicada ao apoio às lutas dos estudantes e professores da África contra os ajustes estruturais das economias e os sistemas educativos. Também é membro da associação Midnight Notes Collective.

De 1987 a 2005 foi professora de Estudos Internacionais, Estudos Femininos e Filosofia Política na Universidade Hofstra de Nova York, publicando uma série de trabalhos neste campo, incluindo o aclamado Calibã e a Bruxa: a Mulher, o Corpo e a Acumulação Primitiva (2004) traduzido em numerosos idiomas. O livro detalha a relação entre os julgamentos de bruxas europeias dos séculos XVI e XVII e a ascensão do capitalismo, destacando a relação contínua entre a opressão e a acumulação no desenvolvimento capitalista.

 

* * * * *

 

Realização:

Flup

 

Colaboração:

Istituto Italiano di Cultura do Rio de Janeiro

 

* * * * *

 

Flup 2020: Em que corpos pensamos quando falamos em Feminismo?, debate com Silvia Federici e Yuderkis Espinosa

 

Data: 08 de novembro de 2020

Orário: 19h

Lugar: Facebook e Youtube (Online)

Ingresso: Gratuito